Review | Dr. Slump Vol. 1 : Toriyama antes de Dragon Ball

Panini relança primeiro mangá do gênio por trás de Dragon Ball

0

Toda lenda tem seu começo. Em 1980, Akira Toriyama era serializado pela primeira vez na editora Shueisha, que publica a revista Shounen Jump no Japão. 4 anos depois, estrearia a saga que o lançaria para todo o mundo, em dimensões antes inimagináveis, criando praticamente uma nova forma de se fazer mangás que vemos ser ”copiada” até hoje. Mas todos já estão carecas de saber das aventuras de Goku, Bulma, Mestre Kame e todo aquela turma. A editora Panini re-lançou nesse mês de Agosto o primeiro volume do primeiro mangá de Toriyama, Dr. Slump, que numa tradução literal seria Doutor Fracassado.

A história acompanha o Doutor Senbe Norimaki (o fracassado do título), que é um adulto solitário que praticamente retrata toda uma geração de japoneses que justificam a baixa taxa de natalidades no país; Senbe cria a androide Arale, uma robô-humana ‘praticamente perfeita’, a não ser pela falta de alguns ‘detalhes’ que Senbe não conseguiu reproduzir devido à falta de referência na área, se é que me entendem.

A história é em sua essência infantil, e nesse primeiro volume vemos os capítulos praticamente como pequenos contos, histórias que não seguem uma única linha, onde vários acontecimentos ocorrem de forma episódica e não servem como continuações diretas de uma trama elaborada para chegar à algum lugar. Apesar disso, não se torna um problema, já que nas primeiras páginas já é clara a ideia do autor em fazer algo bem descontraído, para as crianças, então esse formato de história é muito mais atrativo para o público alvo, e também para os mais velhos, que podem tirar boas risadas das páginas.

Toriyama sabe brincar com a meta linguagem como ninguém, e usa animais fofinhos para narrar passagens de tempo, e retrata a si mesmo na história, como um pássaro autor do mangá. Dr. Slump quebra a quarta parede magistralmente diversas vezes, e muito antes de Deadpool tornar isso algo incrível para o público atual, a obra já estava um passo a frente do seu tempo, fazendo brincadeiras com o bigode do personagem que cresce do dia pra noite, os personagens se lembrarem de que estão dentro de uma ficção (como na parte em que Senbe interrompe o papo de Arale sobre ‘aquilo’ e diz que têm crianças lendo), e tira uma com a cara do próprio leitor, essa parte você precisa conferir por si próprio e se sentir ‘trolado’. Sério.

O primeiro volume vem com 12 capítulos, os 4 primeiros bem monótonos, apresentando os personagens e o universo da Vila Penguin, e o próprio estilo que a história seguiria. Após isso, fica impossível parar de ler, com uma nova invenção genial por capítulo, que só compravam a inspiração e a enorme criatividade do autor.

A edição termina com a inclusão de um novo personagem misterioso que promete render boas aventuras. Agora é ficar de olho nos próximos volumes mensais, um deles com uma aparição de Goku, sim.